Deus tem adoradores ranhosos

Assim, à primeira vista o título deste post é bastante susceptível, mas com ele, eu quero fazer outro tipo de exercício.

Deus tem adoradores ranhosos e, agora vamos descomprimir esta frase para uma perspectiva diferente, para uma lado um pouco mais evangélico… para um lado do extremo literal desse grupo de personagens. Quero que imagine um futuro paraíso “socialista“, mas de sonho, onde o presidente é adorado por uma carga massiva de pessoas, que vivem em harmonia e paz nas suas casinhas banhadas a ouro e construídas pelo estado dito “socialista“, que é do Criador.


Até aqui temos uma sociedade que parece perfeita, mas nem tudo o é: será que existe a verdadeira liberdade tanto individual ou de expressão? Não estaremos a falar de um governo socialista pró-comunismo?

Na Nova Jerusalém não me parece haver sentido para a existência do liberalismo, o que é uma pena.


Olhemos para os super evangélicos, vamos supor que todos eles vão direitinhos para o céu. Lá em cima, vamos ter uma sociedade bem engraçada.

  • Sociedade alcoviteira, que está mais preocupada com vizinho, se ele está a pecar ou a seguir os caminhos do senhor.
  • Uma sociedade ditatorial, que não deixa a importação de ideias ou o debate de temas. No fundo é como nos filmes de ficção cientifica onde a população x de uma cidade não pode mostrar emoções fora daquilo que é permitido ou então num governo marxista.
  • Uma sociedade em guerra civil, pois se agarrarmos num baptista e num pentecostal e lançarmos um tema a batalha campal entre os dois vai ser enorme.

Mas isso são tudo calunias, pois para um evangélico ele viveria em paz no céu com o Senhor. Ele não falaria mal de ninguém, nem se sentiria em ditadura e muito menos fazia uma guerra civil. Os “super evangélicos” respeitam os outros, as outras crenças, as outras raças opções sexuais e credos. Eles agradecem todos os dias pelo mundo que Deus fez e cuidariam dele e dos animais como assim Deus indicou e dessa forma sim: Ele não teria uns adoradores super ranhosos.