Search Menu

Quero por os pontos nos i’s, apenas isso…

Geralmente as coisas são transparentes

Deixar-me levar, coração, mente, reconstrução, valorização pessoal

Dark Light

“Quero por os pontos nos i’s, apenas isso” – disse ao mesmo tempo que esperava uma reação tempestuosa da outra parte.

Quero partilhar algo convosco que tenho exercitado na mente. Atenção: o que vou escrever não é nada direcionado à minha pessoa – digo já de passagem. No fundo é algo que me apetece escrever, por isso vou escrever!

“Quando reavivamos o que já comemos um dia, significa que queremos voltar a comer!” – Não se iludam com a historia do organizar a mente. O jogo do ficou pôr falar e vamos falar, só leva ao lado do revitalizar o que já se sentia. Quando queremos muito falar com alguém, para pôr os ditos pontos nos i’s, é porque ainda temos sentimento. O suposto ponto final significa um olá camuflado, um sê bem-vindo novamente há minha vida. Não vou apontar o dedo a ninguém, por momentos basta-me também olhar para o espelho e ver-me há uns dois meses atrás!

(Obviamente que tenho saudades de algumas coisas que vivi, até ao dia do acidente no pé direito). 

Neste momento sinto-me bem porque finalmente me apercebi que em relação à felicidade, só a consigo encontrar em mim! É egoísta da minha parte, mas a sociedade caminha no sentido de ser a mais: egoísta e individualista.

As pessoas mudam, assim com a sociedade. Eu lembro-me de quando fui para o Porto, eu não fiquei a mesma pessoa de quando sai. Não vale a pena voltar a questionar coisas do passado, quando as pessoas no presente não são as mesmas. As suas motivações mudam, os amigos, a forma de estar na vida. – Foi difícil chegar a esta conclusão!

Graças a minha relação frustrante, consegui compreender que só posso contar comigo mesmo. Essa treta de construir família perfeita, ou viver com alguém para todo o sempre é treta de filmes. Acho que graças à relação anterior, graças ao que investi por alguém… alguém que no final mostrou ser um ser quem desconhecia. Graças a essa relação eu aprendi a encarar a vida, de uma forma mais solitária e individualista. Não investirei nas pessoas. Só existe algo que me pertence, e mesmo assim terei que me separar um dia – falo do meu corpo

As pessoas mudam, eu mudo, tu mudas… naquele momento agradas-me e no próximo não. Não há muita explicação a dar quanto a isso. Não à ponto nos i’s para pôr. De um ponto final pode seguir um novo capitulo, ou um novo paragrafo. Uma continuação…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts