Dark Light

Quanto à história; essa eu escreveria de forma diferente. Obviamente se a pudesse rescrever, não a apagaria. Simplesmente transcrevia, acrescentava o que fosse preciso e o que quisesse. Dava liberdade e abria a porta para entrar os sonhos. Sim, deixava-los entrar, esses malvados que me atormentam o desejo do que quero e do que deixo de querer. 

Os sonhos que escrevia eram aqueles que sempre tive, desde jovem rebento. Eu por fim, escreveria uma história de sonho, mesmo sendo o sonho o pesadelo que escrevesse. Tudo seria escrito pelas linhas da vida, pautadas num caderno por escrever. Delineava o meu caminho, acrescentando o nosso caminho.

Voltava a escrever a historia, deixava tudo como estava escrito. Seguia por entre essa história. Criava outras na minha cabeça, continuidade… no fundo estaria, seria o que teria que ser. Fazia o que fiz e escreveria o que escrevi.

Escrever, deixar de escrever. Como não posso transcrever, e isso, é viver…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts